Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Joaquim Duarte Murtinho

Publicado: Quinta, 05 de Março de 2020, 11h51 | Última atualização em Terça, 17 de Março de 2020, 14h09 | Acessos: 109

 Nasceu em Cuiabá, Mato Grosso, em 7 de dezembro de 1848. Era filho do médico baiano José Antônio Murtinho e de Rosa Joaquina Murtinho. Sua família teve atuação destacada na política mato-grossense, seu pai foi presidente da província do Mato Grosso (1868-1869) e um dos seus irmãos, Manuel Murtinho, foi presidente do estado (1891-1895). Em 1861, concluiu seus estudos no Seminário Episcopal, em Cuiabá. Nesse mesmo ano, matriculou-se no Colégio Kopke (1861), em Petrópolis, sendo, posteriormente, transferido para o Colégio Episcopal São Pedro de Alcântara, situado no Rio de Janeiro. Em 1872, formou-se em engenharia civil na Escola Central do Rio de Janeiro, tendo se tornado professor, no curso de ciências físicas e naturais, de zoologia, química orgânica e biologia industrial. Em 1875, durante o curso de engenharia, ingressou no curso de medicina na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, especializando-se em homeopatia. Político defensor do liberalismo econômico ortodoxo e abolicionista, foi eleito senador da República pelo estado de Mato Grosso nas legislaturas 1890-1891, 1903-1905, 1906 e 1907-1908. Esteve à frente das pastas da Indústria, Viação e Obras Públicas (1896-1897), no governo Prudente de Morais (1894-1898), e da Fazenda (1898-1902), no governo Campos Sales (1898-1902). No Ministério da Fazenda notabilizou-se pelo cumprimento estrito das regras impostas pela operação financeira denominada funding loan (1898), levando o país a uma recessão econômica que tornou sua gestão alvo de críticas por vários setores da sociedade. Assumiu a direção dos Anais da medicina homeopática (1882-1887) e foi um dos fundadores do Instituto Hahnemaniano. Escreveu a tese de doutorado Do estado patológico em geral: acústica, acupressura, respiração de orientação homeopática, e os relatórios dos ministérios da Indústria, Viação e Obras Públicas (1897) e da Fazenda (1899, 1890 e 1891). Morreu no Rio de Janeiro, em 18 de novembro de 1911.

Daniela Hoffbauer
Gláucia Tomaz de Aquino Pessoa
Jan. 2019

 

Bibliografia

JOAQUIM MURTINHO. In: ERMAKOFF, George (org.). Dicionário Biográfico Ilustrado de Personalidades da História do Brasil. Rio de Janeiro: G. Ermakoff Casa Editorial, 2012.

JOAQUIM MURTINHO. In: PAULA, Christiane J. de; LATTMAN-WELTMAN, Fernando (Org.). Dicionário histórico-biográfico da Primeira República 1889-1930, 2010. Disponível em: < https://bit.ly/2sT4SvP >. Acesso em: 18 nov. 2018.

FARIA, Fernando A. Joaquim Murtinho: criadores e criatura. Revista Intellectus - UERJ, Rio de Janeiro, ano 4, v.1. Disponível em: < https://bit.ly/2Rk9gxK >. Acesso em: 3 jan. 2019.

Fim do conteúdo da página