Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Alexandre Cassiano do Nascimento

Publicado: Quinta, 18 de Fevereiro de 2021, 11h47 | Última atualização em Quinta, 11 de Março de 2021, 10h59

Nasceu em Pelotas, Rio Grande do Sul, em 13 de agosto de 1856. Era filho de Casemira Lúcia Faria do Nascimento e de Manoel Lourenço do Nascimento. Seu pai foi coletor de impostos, juiz de paz, vereador e deputado provincial pelo Partido Liberal nas décadas de 1860 e 1870. Iniciou seus estudos em Pelotas, em 1876 transferiu-se para o Rio de Janeiro para realização do curso secundário e do preparatório para o curso de direito, concluído na Faculdade de Direito de São Paulo, em 1880. Retornou ao Rio Grande do Sul, em 1881 foi nomeado promotor público na cidade de Rio Grande, e em 1882 se tornou juiz municipal na cidade de Santana do Livramento. Em 1884, voltou para Pelotas e passou a exercer a advocacia. Foi um dos organizadores do Partido Republicano Rio-Grandense (PRR) em sua região, ao lado do propagandista republicano e abolicionista Álvaro Chaves. Foi indicado pelo PRR candidato a deputado provincial em 1884, não tendo sido eleito. Esteve ao lado de outros republicanos que pressionaram os vereadores da Câmara Municipal de Pelotas a renunciar em favor de uma nova composição, após a Proclamação da República. Foi eleito deputado geral para a Assembleia Constituinte (1890-1891), tendo assumido a legislatura ordinária 1891-1893, tendo sido reeleito para os períodos 1894-1896, 1897-1899, 1900-1902, 1903-1905, 1906-1908; e como senador na legislatura 1909-1911. Esteve ao lado do líder da bancada riograndense deputado Júlio de Castilhos, que posicionou-se contra o golpe de 3 de novembro que fechou o Congresso Nacional e instaurou o estado de sítio, o que levou à renúncia do presidente Manuel Deodoro da Fonseca. Apesar de sua oposição inicial ao presidente empossado, Floriano Peixoto, acabou por alinhar-se ao governo em decorrência apoio da União ao  conflito que opunha seu partido ao Partido Federalista Brasileiro (PFB), fundado pelo liberal monarquista Gaspar da Silveira Martins, e daria origem a Revolução Federalista (1893-1895). Foi nomeado ministro das Relações Exteriores (out. 1893 – nov. 1894),  ministro da Justiça e Negócios Interiores  (nov. 1893 – nov. 1894) e interino da Fazenda (dez. 1893 – nov. 1894). Na pasta das Relações Exteriores enfrentou os problemas decorrentes dos desdobramentos da revolução Federalista, especialmente com o governo do Uruguai, cujo território era frequentemente invadido por grupos castilhistas (republicanos) e gasparistas (federalistas). Atuou ainda nas negociações para o fim da Revolta da Armada (1893-1894) e a prisão do almirante Saldanha da Gama, um dos líderes do movimento, e de 493 rebeldes sob suas ordens, que recebera asilo do capitão de fragata português Augusto de Castilho nas corvetas lusas Mindelo e Afonso de Albuquerque. O desenrolar as negociações levaria ao rompimento das relações diplomáticas entre Portugal e Brasil, retomadas apenas no governo de Prudente de Moraes. Em 1894, como ministro da Justiça, transmitiu a faixa de presidente da República ao paulista Prudente de Moraes, o primeiro civil a assumir o cargo, em virtude da recusa de Floriano Peixoto em comparecer ao ato da posse. Integrou a direção do Liceu Rio-Grandense de Agronomia e Veterinária (1890-1891), ao lado de Possidônio Mâncio da Cunha e José Gonçalves Chaves. Foi também vice-presidente do Rio Grande do Sul (1898-1903), ao lado de Borges de Medeiros, nome indicado por Júlio de Castilhos para sua sucessão no governo estadual. Publicou Correspondência trocada com a Delegação de Portugal e a do Brasil em Lisboa relativamente à entrega dos rebeldes refugiados a bordo das corvetas portuguesas (1894). Morreu no Rio de Janeiro, em 9 de setembro de 1912.

 

Daniela Hoffbauer
Mai. 2020.

 

Bibliografia

CASSIANO DO NASCIMENTO. Portal do Senado Federal. Disponível em:  Acesso em: 25 mai. 2020. Disponível em: https://bit.ly/2Aauefs. Acesso em: 4 mai. 2020.

COSTA, Sergio Corrêa da. A diplomacia do marechal: intervenção estrangeira na Revolta da Armada. 3ª ed. - Brasília: FUNAG, 2017. (História diplomática). Disponível em: https://bit.ly/35Hgepq. Acesso em: 4 mai. 2020.

DOGENSKI, Larissa Copatti. Alexandre Cassiano do Nascimento (1859-1912): a trajetória do pelotense na política nacional. História em Revista, Pelotas, p. 187-198, v. 19, dez./2013. Disponível em

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 1996.

IMPERIAL ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA E DE AGRICULTURA. In: DICIONÁRIO histórico-biográfico das ciências da saúde no Brasil (1832-1930). Disponível em: https://bit.ly/3epJggn. Acesso em: 26 mai. 2020.

NASCIMENTO, Alexandre Cassiano. Dicionário histórico-biográfico da Primeira república 1889-1930. Fundação Getúlio Vargas. Disponível em: https://bit.ly/2ZEoa9S. Acesso em 27 abr 2020.

 

 

 

 

Fim do conteúdo da página